Quarta-feira
08 de Dezembro de 2021 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Newsletter

Cadastre-se e receba informações atualizadas da sua área de interesse
Seu nome
Email

TJRJ e Prefeitura do Rio assinam termo de compromisso com instituições que vão empregar mulheres vítimas de violência

 Autonomia, independência financeira e retomada da dignidade. Esses são alguns dos objetivos que o projeto Novos Rumos, criado em setembro de 2021, quer alcançar ao inserir no mercado de trabalho formal mulheres em situação de violência doméstica e que, em muitos casos, não têm condições de sair de um ciclo violento em razão da dependência econômica que possuem com o agressor. A iniciativa, uma parceria entre o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), através da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Coem), e a Prefeitura do Rio, por meio das secretarias municipais de Trabalho e Renda e de Políticas de Promoção da Mulher, deu mais um passo nesta quinta-feira (14/10) com a assinatura do Termo de Compromisso com sete empresas que vão disponibilizar vagas de trabalho a mulheres vítimas de violência.  Em contrapartida, as instituições Abry Gastrobar, Bee Jobs, Carrefour, Casa e Vídeo, DASA – Diagnósticos da América, Hortifruti e Multi Service RH vão receber um selo de responsabilidade social. Já nesta sexta-feira (15/10), as candidatas indicadas pelo TJRJ às vagas de trabalho vão passar por uma capacitação antes mesmos de participarem do processo seletivo.   No evento, a juíza Elen de Freitas Barbosa, uma das magistradas que compõem a Coem, destacou que a violência doméstica é um problema que atinge milhares de mulheres, independentemente da sua classe social. Para ela, é preciso ir além da punição ao agressor. “Para que essas mulheres possam romper o ciclo de agressões, é fundamental dar a elas condições efetivas e, assim, proporcionar uma vida mais digna. O projeto Novos Rumos vem para oferecer uma oportunidade de mudança para essas mulheres”, revelou a juíza.  O secretário municipal de Trabalho e Renda, Sergio Felippe, acredita que o projeto será um marco na cidade do Rio. “Vamos melhorar a qualidade de vida dessas mulheres com a inserção delas no mercado de trabalho. Empregadas, elas voltam a ter dignidade. Vão poder seguir adiante sem precisar conviver com o agressor e depender da sua renda."O evento, realizado na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade, também contou com a presença da representante da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Mulher, Danielle Souza; da presidente da Riotur, Daniela Maia; e da subprefeita de Jacarepaguá, Talita Galhardo.  IA/MB/FSFoto: Brunno Dantas/ TJRJ
14/10/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia