Sábado
12 de Junho de 2021 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Newsletter

Cadastre-se e receba informações atualizadas da sua área de interesse
Seu nome
Email

Jogador Marcinho vira réu por atropelamento que matou casal de professores

A 34ª Vara Criminal do Rio aceitou a denúncia do Ministério Público estadual contra o jogador Márcio Almeida de Oliveira, o Marcinho, ex-lateral direito do Botafogo, pelo atropelamento que matou os professores Maria Cristina José Soares e Alexandre Silva de Lima. O acidente aconteceu por volta de 20h30m do dia 30 de dezembro, quando o casal atravessava a Avenida Lúcio Costa, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste da cidade.  O jogador, a partir de agora, passa a condição de réu em ação penal pela prática de crime de homicídio culposo na direção de veículo. De acordo com a denúncia, há ainda o agravante de Marcinho não ter parado para prestar socorro às vítimas. Minutos antes do atropelamento, segundo o MP, ele guiava o seu veículo, um Mini Cooper, de forma imprudente, em zigue-zague, na pista sentido Barra da Tijuca, movimentada no momento do fato, numa velocidade compreendida entre 86km/h e 110km/h.  A velocidade máxima permitida na via é de 70km/h. Depois do atropelamento, o carro foi abandonado a Rua Professor Hermes Lima.   Ainda conforme a denúncia, no dia do acidente, entre as 11h e 13h30, Marcinho esteve no restaurante Rei do Bacalhau, no bairro do Encantado, na Zona Norte, onde consumiu bebida alcoólica, ingerindo, ao menos, cinco tulipas de chopp.  Ao receber a denúncia, o juiz Rudi Loewenkron assinalou que “a inicial acusatória descreve adequadamente a conduta delituosa atribuída ao agente e encontra elementos indicativos de autoria e materialidade nos autos do inquérito policial que a instrui”.  E determinou a citação e intimação do jogador para apresentar defesa,  Processo No 0037704-10.2021.8.19.0001  AB  
07/05/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia