Quarta-feira
02 de Dezembro de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Newsletter

Cadastre-se e receba informações atualizadas da sua área de interesse
Seu nome
Email

Aplicativo Maria da Penha permite concessão mais rápida de medidas protetivas

Medo, insegurança, vergonha, solidão. São muitos os motivos que podem impedir a mulher vítima de violência doméstica de denunciar o agressor. A pandemia provocada pelo coronavírus  e o consequente isolamento social trouxeram novas dificuldades no enfrentamento à violência contra a mulher. Para vencer mais esses desafios, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), está disponibilizando o link Maria da Penha Virtual https://maria-penha-virtual.tjrj.jus.br,  uma forma rápida e prática de proteger a vítima.    O lançamento oficial será no dia 26 de novembro e poderá ser acompanhado pela plataforma Zoom. A ferramenta já está disponível no portal do TJRJ e permite que a mulher solicite à Justiça uma medida protetiva de urgência sem que precise sair de casa. Para tanto, basta clicar no link usando um computador ou mesmo um celular.  O dispositivo não precisa ser baixado e não ocupa espaço na memória do aparelho.      - O projeto, gestado por alunos da UFRJ, está cercado de grandes expectativas, pois constitui uma inovação para o mundo jurídico. A iniciativa chega em um momento bastante difícil para as vítimas, que se encontram com dificuldades, devido à pandemia, para obter uma resposta rápida ao pedido de proteção judicial. A mulher poderá utilizar o aplicativo e alcançar mais rapidamente os resultados almejados. É a materialização de mais um instrumento de defesa da mulher vítima de violência - explica a desembargadora Suely Lopes Magalhães, presidente da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (COEM).   Ao acessar o link, a vítima preenche um formulário com seus dados e relata a agressão ou ameaça sofrida, podendo anexar fotos e/ ou áudio. Ao final, é gerado um pedido de medida protetiva, que será encaminhado a um dos juizados especializados em violência doméstica da Capital. Inicialmente o web aplicativo funcionará apenas no município do Rio de Janeiro, mas a ideia é expandir essa inovação para todo o estado.    - O juiz vai receber, diretamente da mulher, a solicitação. Assim, o magistrado poderá decidir imediatamente, de forma digital, e ela terá a proteção imediata prevista na Lei 14.002/2020 e na Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006). O Tribunal de Justiça do Rio vem na vanguarda disponibilizando, em parceria com a UFRJ, esse novo formato de justiça digital. Ficamos muito felizes em possibilitar essa facilidade para as mulheres, que poderão acessar o link pelo celular ou pelo computador para assim obter uma medida judicial imediata  - comemora a juíza Adriana Ramos de Mello, titular do I Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher.     Pesquisa, Direito e Tecnologia  O projeto Maria da Penha Virtual foi desenvolvido por um grupo de estudantes e pesquisadores do Centro de Estudos de Direito e Tecnologia da UFRJ. O TJRJ participa da iniciativa por meio da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (Emerj) e da Coordenadoria Estadual da Mulher Vítima de Violência Doméstica (Coem). A professora Kone Cesário, vice-diretora da Faculdade de Direito da UFRJ, explicou que o trabalho foi alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, especialmente os relacionados à igualdade de gênero,  à paz e à justiça.    - O grupo estuda a automação e a aplicação de tecnologia como forma de facilitar o acesso à Justiça. O aspecto visual foi criado por uma estudante que trabalha com design, inspirado no projeto Violeta e na campanha do Sinal Vermelho. O gerenciamento do projeto foi de um estudante de Direito que empregou a metodologia ágil do KanBan, uma ferramenta de planejamento estratégico que otimizou o desenvolvimento da tecnologia e a elaboração do modelo de negócios, o que terá valor para o público. O meu papel de professora é o de estimular, instigar e ser facilitadora para que os projetos cheguem para uso da sociedade – observou Kone.   O projeto Maria da Penha Virtual será lançado no dia 26 de novembro, a partir de 10h, e poderá ser acompanhado pela plataforma Zoom. As inscrições, gratuitas, devem ser feitas no site www.emerj.tjrj.jus.br. Participarão da mesa de abertura o diretor-geral da Emerj, desembargador André Gustavo Corrêa de Andrade; a presidente da Coem, desembargadora Suely Lopes Magalhães; a juíza Adriana Ramos de Mello e os professores da UFRJ Kone Cesário, Carlos Bolonha e Ana Lúcia Sabadell.    MG/FS 
18/11/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia